Wishlist

You must be logged in to add items to your wishlist.

Museu do Crime

Butantã, São Paulo

Crimes also make history

Every city in the world has a museum about shameful things, of things that are marginal, strange, morbid – and this is the case for Museum of Crime, in São Paulo.

I visited it for the first time at 18, approximately, the limit-age, since minors are not allowed in. I can’t recall why I went there, but I know I’ll never forget it! And the museum stayed mostly the same since then.

The name by which it goes is not its real name: it is the Civil Police Museum – and it was built to serve as training for students at the Police Academy, in the University of São Paulo – that’s why it is inside of USP’s campus.

There you’ll find interesting things like prisoner’s tattoos and escalate up to knowing details of historical crimes, such as the Red Light Bandit; automobile accidents from the beginning of the 20th century, wax statues replicating different wounds, such as gunshot or axe… it’s pretty weird!

It’s mostly empty, very few people know it. I go there once a year, more or less. They open and close at alternative times, so it’s nice to give them a call and get informed beforehand.

Viajo highlights

João Acácio Pereira da Costa, A.K.A. Red Light Bandit, was a notorious Brazilian criminal. Born in Santa Catarina, he arrived in São Paulo in his teens, as a fugitive from the thefts he committed in his State of origin.

Living in the coastal city of Santos, acting as a farmer’s son and a “nice guy”, he spent a quiet life – but he would come to São Paulo to commit his robberies, always in the final hours of the night, cutting the power of houses (he preferred mansions), with a scarf covering his face and carrying his distinctive object: a flashlight with a red nozzle.

The notoriety of the case caused the press to give João the title of Red Light Bandit, clearly inspired in the story of famous American criminal Caryl Chessman, executed in 1960. His story also inspired a movie by moviemaker Rogério Sganzerla, in 1968.

It took the police six years in order to identify him and, in 1967, through fingerprints left on a mansion’s window, he was convicted for four murders, seven homicide attempts and 77 robberies, facing a charge of 351 years of incarceration.

Being released after spending 30 years in prison, which is the maximum penalty according to Brazilian laws, in 1997 he returned to his hometown Joinville, where he wandered around dressing red and signing autographs. Four months after being set free, he was murdered by shotgun fire in 1998 during a bar fight.

Museu do Crime
Praça Prof. Reinaldo Porchat, 219,
Butantã,
São Paulo,
S.P. 05508-100
Facundo Guerra Entertainment entreprenuer, 48

More from Facundo

Naturally alive

Jardim Botânico, Água Branca

Find out more about Jardim Botânico…

In the serpent’s nest

Serpentário Instituto Butantan, Butantã

Find out more about Serpentário Instituto Butantan…

Contemporary eyes

Museu de Arte Contemporânea, Vila Mariana

Find out more about Museu de Arte Contemporânea…

Mandatory art

Sala dos neo-concretistas, Bom Retiro

Find out more about Sala dos neo-concretistas…

A time-proof coffee shop

Café Floresta, República

Find out more about Café Floresta…

Cinema and Augusta

CineSesc, Cerqueira César

Find out more about CineSesc…

Food for celebrating

La Casserole, República

Find out more about La Casserole…

Wishlist

You must be logged in to add items to your wishlist.

Museu do Crime

Butantã, São Paulo

Crimen también es historia

Todas las ciudades del mundo tienen un museo sobre cosas que le avergüenzan, sobre lo marginal, raro, mórbido -y ese es el caso del Museo del Crimen, en São Paulo.

La primera vez que fui tenía 18 años, aproximadamente, en el límite de la edad, porque no está permitida la entrada de menores. No recuerdo bien por qué fui, pero nunca lo olvidaré. Y hasta hoy permanece básicamente igual.

Su nombre, en verdad es Museo de la Polícia civil, y fue hecho para servir de entrenamiento a los estudiantes de la Academia de Policía, en la USP -por eso queda adentro del campus de la Universidad de São Paulo.

Allí encontrás desde tatuajes de prisioneros hasta detalles de grandes crímenes históricos, como el "Bandido da Luz Vermelha", accidentes automovilísticos del comienzo del siglo XX, estatuas de cera reproduciendo diferentes heridas como las producidas por balas o manchas de… ¡es muy raro!

Ahora está vacío: poquísima gente lo conoce. Yo voy más o menos una vez al año. Ellos abren y cierran en horarios alternativos, así que se recomienda llamar para informarse antes.

Viajo highlights

João Acácio Pereira da Costa, conocido como Bandido da Luz Vermelha, fue un notorio criminal brasilero. Vino de Santa Catarina, llegó a San Pablo en la adolescencia, huyendo de robos que había cometido en su Estado Natal.

Vivían en Santos, presentándose como hijo de dueños de Campo y de "buena gente"; vivía una vida tranquila -pero venía a la ciudad de S.P por sus prácticas de robos, siempre en las últimas horas de la madrugada, cortando la energía de la casa (preferiblemente mansiones), con un lienzo para cubrirse el rosto y su principal marca: una linterna con un bucal rojo.

La notoriedad que el caso ganó en la prensa dio a João el título "Bandido da Luz Vermelha", como una inspiración a Caryl Chessman, ejecutado en 1960. Su historia también inspiró una película del cineasta Rogério Sganzerla, en 1968.

A la policia le tomó 6 años identificarlo y, en 1967, por sus huellas digitales dejadas en la ventana de una mansión, fue condenado por 4 asesinatos, 7 intentos de homicidio y 77 asaltos con una pena de 351 años de cárcel.

Fue liberado después de cumplir la pena máxima prevista en la ley brasilera, 30 años, en 1997; volvió a su ciudad natal, Joinville, donde vestido de rojo distribuyó autográfos. Después de 4 meses en libertad fue asesinado en 1998 de un tiro en una pelea de bar.

Museu do Crime
Praça Prof. Reinaldo Porchat, 219,
Butantã,
São Paulo,
S.P. 05508-100
Facundo Guerra Empresario de entretenimento, 48

More from Facundo

Naturalmente vivo

Jardim Botânico, Água Branca

Find out more about Jardim Botânico…

En el nido de la serpiente

Serpentário Instituto Butantan, Butantã

Find out more about Serpentário Instituto Butantan…

Crimen también es historia

Museu do Crime, Butantã

Find out more about Museu do Crime…

Ojos contemporaneos

Museu de Arte Contemporânea, Vila Mariana

Find out more about Museu de Arte Contemporânea…

Arte obligatória

Sala dos neo-concretistas, Bom Retiro

Find out more about Sala dos neo-concretistas…

Cafe que resiste al tiempo

Café Floresta, República

Find out more about Café Floresta…

Comida para celebrar

La Casserole, República

Find out more about La Casserole…

El cine y la Augusta

CineSesc, Cerqueira César

Find out more about CineSesc…

Wishlist

You must be logged in to add items to your wishlist.

Museu do Crime

Butantã, São Paulo

Crime também é história

Toda cidade do mundo tem um museu sobre coisas vergonhosas, do que é marginal, estranho, mórbido - e esse é o caso do Museu do Crime, em São Paulo.

A primeira vez que fui foi aos 18 anos, aproximadamente, no limite da idade, pois não é permitida a entrada de menores. Não me lembro por que fui, mas nunca vou me esquecer! E permaneceu basicamente igual até hoje.

Ele não tem esse nome, na verdade: é o Museu da Polícia Civil, e foi montado para servir de treinamento aos estudantes da Academia de Polícia, na USP - por isso fica dentro do campus da Universidade de São Paulo.

Lá você encontra desde tatuagens de prisioneiros até detalhes de grandes crimes históricos, como o Bandido da Luz Vermelha; acidentes automobilísticos do começo do século XX, estátuas de cera reproduzindo diferentes ferimentos, como aqueles produzidos por bala ou machado... é bem esquisito!

É vazio, pouquíssima gente conhece. Eu vou uma vez por ano, mais ou menos. Eles abrem e fecham em horários alternativos, também, então é legal ligar lá para se informar antes de ir.

Viajo highlights

João Acácio Pereira da Costa, conhecido como Bandido da Luz Vermelha, foi um notório criminoso brasileiro. Vindo de Santa Catarina, chegou a São Paulo na adolescência, fugindo dos furtos que havia praticado em seu Estado Natal.

Morando em Santos, passando-se por filho de fazendeiros e "bom moço", ele passava uma vida pacata - mas vinha a São Paulo praticar seus assaltos, sempre nas últimas horas da madrugada, cortando a energia da casa (com preferência por mansões), com um lenço para cobrir o rosto e sua principal marca: uma lanterna com bocal vermelho.

A notoriedade que o caso ganhou na imprensa deu a João o título de "Bandido da Luz Vermelha", em uma clara inspiração no criminoso homônimo americano Caryl Chessman, executado em 1960. Sua história também inspirou um filme, do cineasta Rogério Sganzerla, em 1968.

Levou à polícia seis anos para conseguir identificá-lo e, em 1967, por conta das impressões digitais deixadas na janela de uma mansão, ele foi condenado por quatro assassinatos, sete tentativas de homicídio e 77 assaltos, com uma pena de 351 anos de prisão.

Libertado após cumprir a pena máxima prevista na lei brasileira, 30 anos, em 1997, retornou para sua cidade natal, Joinville, onde andava vestido de vermelho e distribuindo autógrafos. Após quatro meses em liberdade, foi assassinado com um tiro de espingarda, em 1998, durante uma briga de bar.

Museu do Crime
Praça Prof. Reinaldo Porchat, 219,
Butantã,
São Paulo,
S.P. 05508-100
Facundo Guerra Empresário do entretenimento, 48

More from Facundo

Naturalmente vivo

Jardim Botânico, Água Branca

Find out more about Jardim Botânico…

No ninho da serpente

Serpentário Instituto Butantan, Butantã

Find out more about Serpentário Instituto Butantan…

Crime também é história

Museu do Crime, Butantã

Find out more about Museu do Crime…

Olhos contemporâneos

Museu de Arte Contemporânea, Vila Mariana

Find out more about Museu de Arte Contemporânea…

Arte obrigatória

Sala dos neo-concretistas, Bom Retiro

Find out more about Sala dos neo-concretistas…

Café que resiste ao tempo

Café Floresta, República

Find out more about Café Floresta…

Comida para celebrar

La Casserole, República

Find out more about La Casserole…

O cinema e a Augusta

CineSesc, Cerqueira César

Find out more about CineSesc…